Grã Ordem Afonsina vai comemorar Batalha de São Mamede e aproximar Guimarães, Zamora e Coimbra

Aproximar as cidades de Guimarães, Zamora e Coimbra é um dos anseios da Grã Ordem Afonsina que vai promover as comemorações do 896º aniversário da Batalha de São Mamede, cumprindo a missão de promover e divulgar a vida e obra do Rei D. Afonso Henriques.

Com um programa cultural marcado para os próximos dias 22 e 23, a associação espera reforçar os laços já estabelecidos com a Fundação Rei Afonso Henriques e o Centro de Iniciativas Turísticas de Zamora e Municípios Limítrofes.

Em conferência de imprensa realizada esta terça-feira no edifício do antigo Hospital da Santa Casa da Misericórdia, Florentino Cardoso, daquela Instituição, salientou o empenho na aproximação entre Guimarães e Zamora, "cidades juntamente com Coimbra que são os três pilares fundamentais daquilo que podemos chamar os caminhos de D. Afonso ao longo da sua peregrinação pelo território em ordem à conquista e obtenção da independência". "Zamora foi o local onde ele se armou cavaleiro, Guimarães foi onde venceu a mãe e assumiu a soberania do território e Coimbra foi o local onde ele se instalou e a partir do qual prosseguiu a sua marcha em direcção ao Sul conquistando mais território", defendeu, ao anunciar a pretensão de criar "a Via Regis Alfonsi".

"Queremos um caminho do Rei Afonso, assinalando os pontos por onde passou e actos que praticou ao longo do seu caminho", afirmou, precisando que será uma rota a desenhar no território em Portugal e Espanha.

No próximo dia 22, o programa das comemorações começará às 16h00, com uma evocação daquele momento histórico no Campo da Ataca, contando com a presença de uma representação de 50 pessoas daquelas entidades. Pelas 19h00, está prevista a cerimónia de homenagem a D. Afonso Henriques junto da estátua de Soares dos Reis, na Colina Sagrada. Pelas 21h30, o coro "Capella Ocellum Durii" vai actuar num concerto na igreja da Misericórdia, seguindo-se às 23h00 a actuação da Tuna Afonsina no Largo da Misericórdia junto à escultura de D. Afonso Henriques de João Cutileiro.

No dia 23, às 9h30, a comitiva de Zamora e municípios limítrofes será recebida na Câmara Municipal, merecendo destaque a realização de uma missa solene na Basílica de São Torcato em acção de graças pela independência de Portugal, presidida pelo Arcebispo Emérito de Braga, D. Jorge Ortiga, com acompanhamento musical pelo coro Capella Ocellum Durii e transmissão na TVI.

No encerramento das comemorações, pelas 14h30, realiza-se uma sessão solene no salão nobre da Câmara Municipal de Guimarães com a participação do Ayuntamiento de Zamora, Fundação Rei Afonso Henriques e Sociedade Histórica da Independência de Portugal.

Durante a conferência de imprensa, Florentino Cardoso sustentou que "não pretende entrar em polémicas na área da historiografia, aplaudindo o facto do Município ter criado uma Comissão Científica para as comemorações dos 900 anos de D. Afonso Henriques". No entanto, prosseguiu, a associação espera que esses especialistas tenham "o desígnio de deslindar o imbróglio que é saber em que dia nasceu Portugal".

"Com a nossa modéstia, entendemos que a Batalha de São Mamede é o acto decisivo para a independência, porque foi nesse momento que D. Afonso Henriques adquiriu a soberania do território", vincou, considerando que Portugal precisa de saber a data em que nasceu. "Queremos lançar a pista para os historiadores se pronunciarem sobre a data de nascimento deste dia. Mas, não basta que os historiadores digam foi neste dia, depois a vontade política terá que o assumir", disse, numa alusão à importância da instituição do feriado nacional.

Para as comemorações, a associação conta com o apoio do Município, da Santa Casa da Misericórdia de Guimarães, dos Veteranos Lanceiros, das Juntas de Freguesia de São Torcato e Aldão, da Irmandade de São Torcato e da Tuna Afonsina cujos representantes estiveram presentes na apresentação do programa.

Marcações: D. Afonso Henriques, Grã Ordem Afonsina

Imprimir Email